Por: Bruno Guerra

20 de dezembro de 2019 Empreendedorismo, Marketing Digital, Mazag Nenhum Comentário

O planejamento estratégico é o primeiro passo para a definição de metas, objetivos e gestão de qualidade de uma empresa. 

Especialmente no caso das startups, que são empresas marcadas por crescimento acelerado, ter uma boa estrutura de gestão é fundamental para que as metas sejam alcançadas em cada etapa do negócio.

Muita gente se questiona sobre a diferença entre uma startup e uma empresa de formato tradicional.

Há algumas definições desse modelo de negócio que nos ajudam a entender melhor, mas, essencialmente, as startups são empresas que apresentam soluções inovadoras e são movidas a um modelo escalável, mesmo em um cenário de incertezas.

Grande parte dessas soluções está atrelada à tecnologia e à automatização de tarefas. 

É importante destacar que as pessoas envolvidas nessa nova forma de pensar e viver o mercado de trabalho são peças essenciais para a construção do conceito.

Isso, porque a gestão colaborativa e as habilidades holísticas dos talentos envolvidos são bastante valorizadas, assim como a criação de ideias e projetos que exigem autonomia e propósito.

Na prática, nada disso é possível sem um bom planejamento estratégico. Por isso, se você quer organizar o cronograma da sua empresa e não sabe por onde começar, leia esse conteúdo.

Nas próximas linhas, vamos abordar alguns pontos que demonstram qual é a importância dos planos estratégicos para uma startup. Confira!

O que é uma startup?

Inovação, tecnologia, criatividade, colaboração, soluções transformadoras. Todas essas características fazem parte dos princípios de uma startup.

Na prática, startup é uma empresa nova no mercado, que tem projetos autênticos e um propósito de inovação que entrega uma resposta única ao mercado. 

A tendência desse tipo de empresa é se desenvolver rapidamente, devido ao modelo de negócios escalável.

Para que os objetivos da empresa sejam cumpridos, elaborar um planejamento estratégico é o primeiro passo para entender os objetivos, as oportunidades, os diferenciais, as fraquezas e pontos a melhorar no negócio.

O Brasil já é considerado um celeiro das startups. 

Prova disso é uma pesquisa da Associação Brasileira de Startups que revela que já são 12 mil empresas brasileiras que se enquadram nesse conceito.

Já pensou em ter uma plataforma para contratar e monitorar serviços como manutenção de elevadores, soluções de facilities como terceirização de limpeza, segurança e tarefas que fazem parte da rotina administrativa de médias e grandes empresas? 

Esse é um exemplo básico que poderia ser uma ideia de startup.

Em resumo, são características das principais marcas que compõem esse conceito:

  • Proposta inovadora;
  • Produto ou serviço com grandes chances de crescimento;
  • Trabalho acelerado;
  • Autenticidade e proposta de valor são diferenciais;
  • Geração de valor é uma característica forte.

Agora que você sabe um pouco mais sobre os princípios de uma startup, é hora de aprofundar seus conhecimentos sobre a importância do planejamento estratégico. Veja os tópicos abaixo.

Alcance de metas e objetivos

Para um crescimento acelerado, com soluções em larga escala, é preciso ter uma visão estratégica do mercado e planejar as ações para cumprir os objetivos em curto, médio e longo prazo, isso faz toda a diferença na prática.

Empresas como o Google utilizam a metodologia dos OKRs para definir os objetivos e os resultados-chave que são necessários para alcançar as metas. 

Na prática, o conceito foi criado por Andrew Grove e hoje é aplicado em várias empresas que seguem o modelo de startup.

Nessa linha, os objetivos são qualitativos e os resultados-chave, quantitativos, ou seja servem para analisar os dados

Exemplo 1

Vamos imaginar um exemplo: uma empresa precisa organizar sua rotina contábil e para ter melhores resultados, um dos passos para alcançar o objetivo é a compra de um aparelho sat fiscal e aquisição de softwares de gestão.

Na prática, o SAT fiscal é um produto com capacidade para autenticar e transmitir documentos como notas fiscais eletrônicas e outras demandas para a Secretaria da Fazenda, e adquirir esse sistema é algo que vai ajudar na construção de um resultado no futuro.

Em um planejamento estratégico, a definição de metas e objetivos, seja no conceito dos OKRs ou de outra forma, é o que torna a visão estratégica da empresa mais real. 

Exemplo 2

Outro exemplo: uma empresa especializada na calibração de manômetros, e outros acessórios industriais como balanças, que deseja melhorar a experiência oferecida ao consumidor em termos de atendimento. 

Nesse cenário, o objetivo é melhorar a experiência para o consumidor e os resultados-chave podem ser definidos como:

  • Analisar a avaliação de atendimentos nos últimos 3 meses;
  • Implementar chatbots e soluções que agilizam o atendimento;
  • Prezar pelo contato humanizado com o cliente;
  • Aumentar em 30% o índice de satisfação do cliente.

Para cada etapa, planejar as ações e monitorar o desempenho delas é o caminho para a transformação. Por isso, o planejamento é a resposta.

Inovação constante

Definir inovação é um desafio. No entanto, algo é certo: não há como estagnar no mercado por acreditar que a sua startup já é inovadora o suficiente.

Você pode até ter criado algo único como um novo método de calafetação de piso de madeira para tornar os pisos mais harmônicos, mas saiba que, assim que a sua empresa cria um diferencial, a concorrência monitora esses insights e trabalha para continuar na disputa.

Não existe um intervalo de tempo certo para fazer o planejamento estratégico empresarial, no entanto, é preciso que os departamentos se organizem para evolução constante. 

O mercado é exigente, as demandas se transformam e as empresas que interrompem a capacidade de criar e melhorar sua proposta ficam para trás.

Inovar é estar aberto às oportunidades e a um planejamento estruturado com direito a metodologias como pesquisa de satisfação, estudos de mercado, análise da concorrência e qualificação constante. 

Isso é o mínimo para uma startup conservar seus princípios.

Lembre-se de que um dia as etiquetas para código de barras foram uma criação inovadora e esse padrão continua no mercado, porém, hoje, além das lojas físicas, 7 a cada 10 internautas brasileiros compram pela internet, e o mercado precisa se adaptar à tecnologia também.

Planejar o próximo passo é sempre bem-vindo quando a proposta é evolução. Fica a dica!

Gestão de pessoas, a essência

O universo das startups é marcado pela busca da produtividade, a valorização das capacidades criativas e de profissionais que conseguem ser transdisciplinares, a ponto de estarem aptos a resolver problemas, independentemente do cenário.

Para manter pessoas talentosas e atrair perfis de indivíduos que seguem essa linha, planejar o setor de gestão de pessoas é uma atitude prática. 

Além de plano de carreira, perspectivas para o futuro e um ambiente colaborativo, é preciso prestar todo o suporte para o desenvolvimento dos profissionais e suas habilidades.

Muito além de um ambiente confortável, com luminárias pendentes coloridas, puffs, áreas de lazer e quadros criativos de tarefa, as startups são marcadas por incentivar o espírito empreendedor de cada funcionário e nada melhor do que o departamento de gestão de pessoas para melhorar esses processos e proporcionar boas experiências.

Visão estratégica dos negócios

Empreender é se arriscar e isso vale muito para as startups, que geralmente são muito novas no mercado. 

O futuro dos empreendimentos não tem uma única resposta, mas há uma necessidade de visualizá-lo a longo prazo.

Você precisa imaginar o que espera da sua empresa nos próximos cinco anos, afinal, ela foi criada com um propósito que agrega valor à sociedade e uma solução esperada pelo consumidor, certo?

Se a startup traz soluções como a acessibilidade de acessórios como nobreak e estabilizador para pequenas empresas em situações emergenciais, que incluem apagões elétricos, tempestades e risco da perda de informações, é importante acompanhar a evolução da inteligência artificial no mercado e se questionar sobre a sobrevivência do negócio.

O seu produto tem prazo de validade? O que garante que as soluções da sua empresa terão vitalidade e aderência no mercado? 

Ao construir planos estratégicos, com pesquisa, dados, informações e projeções em diferentes cenários, sua empresa se prepara para sobreviver e crescer.

As dores do crescimento fazem parte do processo e, todos os dias, há situações que trazem novas ideias, insights e podem contribuir com a proposta que o seu negócio entrega ao mundo.

Em uma panificadora, organizar o expositor para padaria, com os melhores doces e bolos para atrair o cliente é uma estratégia interessante.

No entanto, o que faz com que as pessoas tenham um lugar preferido para tomar café todos os dias é o conjunto de fatores como atendimento, ambiente, conforto, entre outras variáveis. O mesmo vale para as startups.

Planejar os sonhos empresariais em longo prazo requer a capacidade de uma visão estratégica do futuro em curto, médio e longo prazo. 

Você pode trabalhar com um cenário mais pautado na realidade, ou com mais otimismo, e acredite, o pessimismo também é algo que pode acelerar a evolução para que seu negócio sobreviva. Pois analisar e respeitar os riscos é fundamental para o sucesso.